Psicólogas compõem mesa para falar sobre regime militar

O deputado Adriano Diogo (PT), presidente da Comissão da Verdade, disse que realizou 53 sessões da comissão, emocionado porem descontraído, desta feita Adriano Diogo, se declarou com medo e muito apreensivo com a deterioração da situação do país neste momento.
24/06/2013 12:05

Compartilhar:

 


Militantes, sobreviventes da repressão, psicólogos e membros do Conselho Regional de Psicologia (CRP) deram depoimentos na audiência pública da Comissão da Verdade Rubens Paiva, nesta sexta-feira, 21/6, sob a presidência de Adriano Diogo (PT). Maria Orlene Daré, coordenadora da comissão de Direitos Humanos do CRP, agradeceu aos psicólogos por enriquecer com declarações os documentos elaborados em busca da verdade sobre os fatos ocorridos nos anos de repressão. Apresentou o vídeo O Tecido e o Tear sobre garantia de direitos humanos. Daré discorreu sobre os efeitos da repressão política na vida particular e no coletivo.

A psicóloga Carolina de Almeida Sombini viveu separada dos pais, perseguidos pelos militares na década de 70. Carolina deu seu depoimento como vítima e como profissional ao dossiê da verdade. Afirmou não haver diferença entre as ações policiais da repressão militar e das manifestações atuais, porque ambas impedem a liberdade de expressão.

A presidente do CRP-SP, Maria de Fátima Nassif, explicou o reconhecimento dos traumas e a profundidade do sofrimento em torturados. Apresentou vídeo sobre os depoimentos cedidos por psicólogos, em seguida, entregou documento com análises realizadas por psicólogos que ouviram vítimas do regime.

Voltar