Deputado questiona Governo do Estado sobre estoque zerado de medicamentos para transplantados

As matérias da seção Atividade Parlamentar são de inteira responsabilidade dos parlamentares e de suas assessorias de imprensa. São devidamente assinadas e não refletem, necessariamente, a opinião institucional da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.
07/12/2021 14:47 | Atividade Parlamentar | Da assessoria do deputado Carlos Cezar

Compartilhar:


O deputado Carlos Cezar apresentou, à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, um requerimento cobrando da Secretaria da Saúde providências para regularizar a distribuição de medicamentos de alto custo nas unidades da rede pública estadual. O estoque de Micofenolato de Sódio 360mg de uso contínuo e imprescindível para pacientes transplantados, está zerado nas farmácias de todo o estado, uma situação recorrente.

O Micofenolato de Sódio deve ser usado permanentemente por pessoas submetidas a transplantes de fígado e rins, a fim de que seus organismos não rejeitem os órgãos recebidos. Diariamente, o paciente deve tomar duas doses do medicamento de 360mg ou quatro unidades da composição de 180mg. Em farmácias particulares, o custo com a compra pode variar entre R$ 12 mil e R$ 27 mil.

O deputado esclarece que tomou conhecimento sobre a falta desta medicação a pacientes transplantados em Sorocaba. Porém, o desabastecimento acontece no momento em todo Estado e tal problema é recorrentemente noticiado pelos veículos de imprensa, por exemplo, em Salto, no mês de agosto; no ABC Paulista, em julho; e em Catanduva, em fevereiro.

"Nos últimos meses, venho cobrando o Governo do Estado pelos problemas no fornecimento de remédios de alto custo para pessoas com outras doenças, casos de pacientes imunodeprimidos e em tratamento de câncer em diferentes cidades. Fiz mais um requerimento cobrando providências urgentes da Secretaria da Saúde a fim de solucionar definitivamente este problema gravíssimo no fornecimento dos medicamentos de alto custo. É lamentável que o Estado mais rico do país não consiga manter em dia os estoques e proteger a vida de milhares de pessoas que dependem dessas medicações", justifica Carlos Cezar.